O Concelho de Noia avança na implementação de tecnologias de “água inteligente” no contexto do projeto Aquamundam

As entidades Águas da Galiza, o Instituto Tecnológico da Galiza (ITG) e o Concelho de Noia avançaram com os trabalhos de implementação de um sistema de gestão sustentável do ciclo integral da água do município

A colaboração do Concelho de Noia com os parceiros do projeto Aquamundam, financiado pelo programa POCTEP, tem vindo a permitir a implementação de tecnologias de informação geográfica (GIS) e Internet das Coisas (IoT), destinadas a uma gestão sustentável do ciclo integral da água. Um dos três pilotos do projeto Aquamundam, uma iniciativa de âmbito europeu, colocará à disposição de pequenas populações, soluções tecnológicas, próprias de grandes cidades inteligentes.

O ITG coordena o desenvolvimento e implementação de uma solução que possibilitará uma melhor gestão patrimonial das infraestruturas, a resolução atempada de incidentes através de um modelo matemático ágil, entre outros benefícios, como:

  • Consulta das características dos componentes geoposicionados das redes de distribuição de água potável e recolhida e tratamento de águas residuais;
  • Ferramentas IoT para tratamento dos dados recolhidos através dos sensores da rede, permitindo o conhecimento, em tempo real de parâmetros da operação, configuração de alertas e análise gráfica de toda a informação;
  • Gestão de incidências relativas aos serviços de água, incluindo a traceabilidade de todo o processo de resolução;
  • Conexão com software de modelação da rede de abastecimento e saneamento, de forma a conseguir caracterizar o desempenho atual da rede, assim como estudar o seu funcionamento em face de outros contextos, como a extensão ou melhoria dos sistemas existentes;
  • Modulo de análise de custos e compras associadas à gestão dos serviços de água, com ferramentas para resumo e localização dos principais investimentos.

Análise das redes de saneamento e abastecimento de Noia

O concelho de Noia e o consórcio do projeto Aquamundam, do qual são parte o ITG e a entidade Águas da Galiza, têm vindo a trabalhar, nos últimos meses, na digitalização da informação recolhida nas redes de saneamento e abastecimento do município.

A rede de saneamento foi inspecionada e mapeada sob a direção da entidade Águas da Galiza, tendo-se atingindo mais de 60 km de rede examinados. A partir dessa informação recolhida, foram gerados modelos matemáticos para estudar o funcionamento atual da rede de coletores e propor medidas para melhorá-lo.

Por outro lado, a rede de abastecimento do município foi digitalizada com a colaboração dos técnicos do município, o que simplifica a consulta e atualização dos dados dos componentes da rede e proporciona maior agilidade nos ritmos de operação e manutenção da infraestrutura.

Nos últimos meses, foram realizados estudos de teste para instalação de sensores que meçam, em tempo real, o funcionamento do sistema, e enviem os seus dados para a plataforma web de informação geográfica, Aquamundam.

Piloto de contadores de água inteligentes

Nos últimos meses, foi instalada uma rede IoT que conectará sensores à plataforma Aquamundam, entre os quais se destacam os contadores domésticos com leitura remota, para os quais um teste de cobertura foi realizado no início de novembro.

A instalação desses equipamentos facilitará a leitura do consumo sem necessidade de aceder ao interior das casas, o que é de especial relevância na atual situação de pandemia devido ao COVID-19. Estes contadores permitem ainda obter maior informação diária e ajudar a identificar potenciais avarias, como fugas e roturas, de forma mais célere.

Esta experiência, centrada no centro histórico de Noia, servirá para verificar, em contexto real, as vantagens que este equipamento oferece para contribuir para uma melhor prestação do serviço de abastecimento.

Uma experiência local com alcance global

O piloto Noia complementa outros estudos realizados no âmbito do mesmo projeto em cidades do Norte de Portugal e de Castela e Leão, permitindo assim que o projeto Aquamundam não se limite apenas à gestão do ciclo da água, mas também possibilite uma troca de experiências e boas práticas para alcançar da forma mais sustentável a manutenção deste escasso e precioso bem. Da mesma forma, o Aquamundam é um projeto alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, cujo Objetivo 6 é justamente “Água limpa e saneamento”, promovendo o acesso à água potável de forma equitativa e fomentando medidas de prevenção que impeçam o seu desperdício.